sexta-feira, 17 de março de 2017

TEMA: Reavives o dom - II Timóteo 1:6-14

Reavives o dom!
II Timóteo 1:6-14

Deus quer uma igreja ativada! Todos tem pelo menos um dom, um talento recebido da parte de Deus. Há pessoas paralisadas. Há outras que acreditam que o tempo já passou.

1.Porque o seu dom precisa de fogo (v.6)
A palavra reavivar significa acender, por fogo, inflamar e ser fervoroso. Observamos que Paulo está orientando a Timóteo que ele próprio ponha fogo em seu dom. O dom é algo que precisa de fogo constante. Se Paulo diz a Timóteo que ele deve reavivar o dom, isso significa duas coisas: 1) A chama do dom pode esfriar; 2) Nós temos a responsabilidade em mantê-la acessa.
Pergunto: A chama do seu dom está acessa?

2.Porque o seu dom pode se esfriar pelas intimidações (v.7)
Paulo diz a Timóteo que não deve ser tímido, isto é, covarde, com medo. Podemos fazer um paralelo com a vida de Elias. Timóteo se encontra intimidado. Como o dom pode esfriar? a) Rejeição - Timóteo era muito jovem como pastor e as pessoas não respeitavam sua autoridade pastoral (I Timóteo 4:12). Elias temeu por sua vida. O medo da rejeição é um fator de intimidação. Elias foi rejeitado. O medo de ser rejeitado ou julgado pode arrefecer o nosso dom. b) Circunstâncias difíceis – Paulo, o discipulador de Timóteo está preso. Vincular seu ministério a um prisioneiro era intimidador para Timóteo, pois, seu mentor Paulo, preso, o exorta a participar dos sofrimentos dele (v.8) e justifica a sua prisão (v.12) por causa do evangelho (v.11-12). Elias estava numa circunstância difícil. As circunstâncias da vida podem nos arrefecer. c) Esgotamento – Timóteo, além de ter que lidar com a prisão de Paulo, também precisa lidar com problemas internos da igreja (II Timóteo 2:14; 16-26). Elias estava esgotado. Trabalhamos tanto e sem parar que em dado momento somos intimidados porque emocionalmente estamos abalados por pessoas, circunstâncias e tudo o mais. Isso pode arrefecer o seu dom. d) Deslocamento e perda de propósitoPaulo lembra a Timóteo que seu dom foi recebido por imposição de mãos (v.6). Quando nos esquecemos de quem nos chamou, ocorre um deslocamento e perda de propósito. Elias havia perdido o propósito. Você que é um líder na casa do Senhor, que há tempos não exerce o seu dom, hoje Deus te chama a pôr fogo no seu dom. As vezes a nossa desculpa é a falta de tempo. Na verdade, as prioridades se inverteram porque houve um deslocamento e perda de propósito. e) A própria mente – Elias dizia: “Tenho sido em extremo zeloso” II Reis 19:14. A nossa própria mente muitas vezes trabalha contra nós mesmos. A presunção pode causar pensamentos intimidatórios. Pergunto a você hoje meu irmão e irmã: O que foi que te fez ou pode te fazer parar? O dom pode esfriar por meio da intimidação. Intimidados por pessoas, circunstâncias e nossa própria mente podemos nos acovardar. Rompa suas intimidações.
Pergunto: Você se sente intimidado por algo? Se sim, qual o reflexo que isso tem trazido ao seu dom? Você está fluindo plenamente e com graça em seu dom?

3.Porque Deus o vocacionou para exercer seu dom (v.9; 11; 6)
Timóteo ao olhar para a situação ele apaga e fica intimidado. Paulo lhe fará alguns lembretes: Ele precisa: 1) Lembrar que o dom foi dado por Deus (v.6); 2) Lembrar que ele foi vocacionado por Deus (v.9); 3) A exemplo de Paulo, ele foi designado por Deus (v.12). Não foi homem que lhe deu o dom. Não foi uma denominação que lhe deu o dom. Não foi seu pastor que lhe deu o dom. Seu dom foi dado por Deus. Um grande privilégio e uma grande responsabilidade. Deus quer te levantar meu irmão e minha irmã. Você é uma benção de Deus escolhido e escolhida por Deus para ser um instrumento de poder no Espírito Santo.
Esse ponto é crucial. Quando nos esquecemos de quem nos vocacionou, a chama poderá apagar.
Pergunto: Você vive como um vocacionado? Se for pressionado por pessoas, circunstâncias ou sua própria mente, relembrar essa verdade será suficiente para você reavivar o dom que há em você?

4.Porque seu dom frio pode ser um perigo para a obra de Deus ou pode ser uma chama viva nas mãos de Deus (v.13)
Paulo mostra para Timóteo que a razão da sua prisão é o evangelho. Portanto, o evangelho precisa ser propagado. Quem está livre? Timóteo. Uma pessoa de Deus acovardada põe o padrão da mensagem em risco, pois, estará sem poder (reavives). Qualquer que seja seu dom se você, por algum motivo, não está fluindo nele, põe o padrão da missão de Deus em risco. Paulo escreve que somos um corpo. Todas as partes do corpo precisam estar em perfeita harmonia para o corpo fluir. A partir do momento que um membro começa a sofrer, o corpo imediatamente reage. Sua funcionalidade está comprometida. Paulo, ciente do perigo diz à Timóteo que ele precisa reavivar, isto é, ser cheio do Espírito Santo para "guardar o bom depósito" (v.14) que é a preciosidade da mensagem. Um obreiro acovardado compromete a missão. O Espírito Santo é o azeite que faz a chama ficar acesa. Quando estamos cheios do Espírito Santo as impurezas são queimadas pelo fogo de Deus. As intimidações são ofuscadas pelo brilho do fogo do Espírito. Israel era uma nação que corria perigo porque um Rei não fluía na sua autoridade dada por Deus. Porém, um jovem cheio do Espírito Santo enfrentou um gigante. Deus quer que você seja cheio do azeite! Deus quer que você pegue fogo. John Wesley que fluía no dom da pregação dizia: “Me coloco em chamas, e o povo vem para me ver queimar”.
Pergunto: Você tem sido fiel ao depósito que tem recebido pelo Espírito Santo? Você tem mantido o padrão do evangelho e da missão?


Rodrigo Rodrigues Lima, Pastor

domingo, 12 de março de 2017

Sermão 12/03/2017 - Os caminhos de Deus para uma vida extraordinária

Os caminhos de Deus para uma vida extraordinária
I Coríntios 1:18-25

Amados irmãos e irmãs, dando sequência à série de mensagens que Deus tem nos dado para este mês de março sobre avançar para o extraordinário de Deus, firmes no propósito de sermos uma igreja guiada pelo sopro do Espírito de Deus, tenho certeza que Deus tem mais para derramar sobre nós neste dia.
Na semana passada falamos sobre como evitar cairmos na perda do fervor espiritual e seguirmos vivendo esse extraordinário de Deus. Em fevereiro falamos sobre o plano mestre de Deus para as nossas vidas. Veja que tudo tem convergido para um propósito de sermos cheios do Espírito Santo e cumprirmos a missão de Deus. Deus quer nos levar a caminhos mais profundos para vivermos esse extraordinário. Quantos estão dispostos a pagar o preço desse desafio de viver uma vida extraordinária?
A vida de Jesus foi uma vida extraordinária. Ele viveu o caminho que o Pai trilhou para Ele. Nós também somos chamados a viver essa vida extraordinária. Esse extraordinário tinha a ver com algo não tão extraordinário assim, mas que se tornou o caminho para uma vida vitoriosa e extraordinária em Deus. O caminho da cruz. Qual é o real propósito do Evangelho, senão uma vida abundante e extraordinária? Por que muitos não vivem esse extraordinário de Deus? Por que tantas pessoas decepcionadas com igrejas, pastores e líderes? Por que tantos deturpando essa mensagem extraordinária? Por que tantos crentes feridos? Essas respostas tem a ver com a maneira como as pessoas vêm encarando o Evangelho da graça, a Mensagem da Cruz, ou o que vou chamar de os caminhos de Deus para uma vida extraordinária.
Os caminhos para uma vida extraordinária em Deus devem despertar em nós o mesmo sentimento que houve em Paulo quando escreveu: “Mas longe esteja de mim, eu gloriar-me, senão na cruz de nosso Senhor Jesus Cristo, pela qual o mundo está crucificado para mim, e eu para o mundo.” Gálatas 6:14. E mais, podem e deverão gerar em nós um tamanho contentamento em Deus que poderemos dizer: “Portanto, para mim, o viver é Cristo, e o morrer é lucro.” Filipenses 1:21

Paulo quando escreve essa carta aos coríntios está lidando com uma divisão terrível. Alguns eram partidários de Paulo, outros de Apolo, outros de Pedro e outros de Cristo. Há uma verdadeira carnalidade e muita gente decepcionada. Para corrigir esse problema, Paulo os traz à centralidade da cruz e lhes apresenta os caminhos de Deus para uma vida extraordinária. Ele quer ensiná-los a viver em unidade e na vida comum focados em Cristo, uma vez que já havia uma divisão pior em torno da mensagem da cruz. Você quer uma vida de poder e vitoriosa em Deus? Aqui está o princípio. Vamos nos focar nos caminhos de Deus para uma vida extraordinária. Não olhemos para homens, mas para a cruz!

O primeiro caminho de Deus para uma vida extraordinária...
1.O caminho da renúncia do PODER e negação do EU (v. 23)
Para entendermos porque os judeus consideram a cruz escândalo sendo convidados ao caminho da renúncia, é importante fazer um breve pano de fundo. Para os judeus, o Messias viria como uma grande força política. Vez por outra aparecia uma pessoa reivindicando a autoridade messiânica, por isso, os judeus lhes pediam um sinal. Eles realmente esperavam um messias político que derrotasse os romanos, uma vez que eles foram feitos província romana e pagavam impostos a César. Eles esperavam que o Messias estabelecesse o governo político. Também não era para menos. Há cinco capítulos nos Salmos (2; 22; 69; 72; 110) e três capítulos em Isaías (9; 11; 35) que são atribuídas ao Messias. Por isso eles tinham e tem ainda hoje tanta expectativa. Na perspectiva judaica o Messias governará nessa terra sempre vitoriosa, com excelência, justiça e glória. Seu reinado será pacífico, próspero, grandioso e glorioso.
Entretanto, Jesus é visto como o Messias esperado por muitos, mas no final ele foi pendurado no madeiro. O que significa o madeiro para o judeu? Leia Deuteronômio 21:22-23: “Se alguém houver pecado, passível da pena de morte, e tiver sido morto, e o pendurares num madeiro, o seu cadáver não permanecerá no madeiro durante a noite, mas, certamente, o enterrarás no mesmo dia; porquanto o que for pendurado no madeiro é maldito de Deus; assim, não contaminarás a terra que o SENHOR, teu Deus, te dá em herança.” Diante desse texto vem o escândalo. Como podia o Messias de Deus terminar sua vida crucificado, condenado pelos seus e sob a maldição do próprio Deus? Escândalo! Veja que a questão central aqui é PODER! PODER POLÍTICO. O poder político do Messias venceria o poder político dos romanos e estabeleceria a soberania do estado de Israel, mas o Messias foi para a cruz. Escândalo! Jesus está ensinando o caminho de uma vida extraordinária. Como isso se aplica nós hoje? Assim como aqueles tentaram salvação usando o poder do Messias segundo o seu conceito de poder, muitos hoje tentam se salvar e se relacionar com Deus sem cruz.

Irmãos, a cruz continua sendo escândalo para aqueles que confiam no poder humano e em sua própria capacidade de se salvar. Todo aquele que confia na sua própria força se escandaliza com a cruz. A cruz foi escândalo para Pedro. Ele disse a Jesus: “por ti darei a própria vida.” João 14:37. Mas Jesus disse: “Antes que o galo cante você me negará três vezes”. João 14:38. Enquanto não negarmos a nós mesmos, continuaremos negando a Cristo. Na auto-suficiencia de Pedro, suas máscaras caíram. Pedro se esforça por Jesus (João 18:26), Pedro se parece com Jesus (Mateus 26:73), Pedro foi visto com Jesus (Mateus 26:69), mas nada disso foi suficiente. Ele queria servir a Jesus do seu jeito e por isso a cruz se tornou escândalo. Quando Pedro fracassa, Jesus ressurreto vai restaurá-lo e dirá mais ou menos assim: “Pedro, você não morreria por mim? Apascenta as minhas ovelhas.” A esse  Pedro ressurreto Jesus vai ensiná-lo que cruz não é auto-suficiência. Veja João 21:18-20. Você tem pedido poder para Deus e só tem sido colocado em situações de grande pressão. Quanto mais poder você pedir a Deus, mais pressões você enfrentará para que seja colocado em situações de aparente fraqueza. Essa é a grande benção da contradição. Veja que o mesmo ocorre com Moisés. O mesmo ocorre com José no Egito. Quanto menos poder humano e menos EU, mais poder de Deus é derramado sobre nós.

O segundo caminho de Deus para uma vida extraordinária...
2.O caminho das contradições e da dependência (v. 23)
Na cultura grega a crucificação era um método de execução pública que combinava humilhação e tortura e para eles os deuses eram muito poderosos e a fonte de sabedoria. Como poderia Deus ser crucificado? A grandeza era a natureza do pensamento grego em todos os aspectos. De repente, alguém diz que os homens mataram Deus numa cruz? A cruz continua sendo loucura para aqueles que se sentem contrariados em seus pensamentos de grandeza e auto-suficiência. Os discípulos de Cristo são chamados à dependência de um Deus que se entregou. O que Ele fez foi para ser o modelo e abriu um caminho para a vida extraordinária. A vida extraordinária é loucura porque ela nos convida para o caminho das contradições. Os paradoxos da vida com Deus. Um teólogo chamado Paul Althus diz: “crer significa viver em contradição constante com a realidade que se vê e confiar no que não pode ser visto.” Cristo morre para nos dar vida. Ele se faz o menor de todos para ser exaltado sobre todos. Ele nos convida ao mesmo caminho. Para viver com Cristo, precisamos morrer para nós mesmos. Se somos os últimos, Nele somos feitos os primeiros. O menor de todos entre nós é o maior. Quem perde a sua vida vai achá-la. É dando que se recebe. Deus nos chama ao caminho da dependência. Você tem sido humilhado, rejeitado, desprezado, sofrido com muita dor e está angustiado? Esse é o caminho da sua vitória. Não nos gloriemos nas bênçãos que temos recebido meus irmãos (Romanos 5:3-5; II Coríntios 12:7-10). Quanto mais descermos, ais seremos exaltados. Temos celebrado tantas bênçãos espirituais que temos recebido, mas não é colocando os olhos nelas que manteremos uma vida de poder. É, antes de tudo, mantendo o coração humilde e quebrantado. É nos derramando diante Dele. Diminuindo cada vez mais para que Ele cresça. Assim estaremos sempre de pé diante da Sua Presença. É loucura? Sim! É a grande benção da contradição. O caminho de Deus para uma vida extraordinária.

O terceiro caminho de Deus para uma vida extraordinária...
3.O caminho do PODER da cruz e do Espírito Santo (v. 24)
I.Poder (Veja Isaías 53)
a.Na fraqueza Dele na cruz, daquele Messias que aos olhos dos judeus é fraco e sem poder, que nos olhos dos gregos ele é loucura, nós experimentamos poder. Ele foi erguido, subindo como escândalo e loucura na cruz, mas para nós é poder de Deus (v.2-3)
b.Ele nos libertou do poder da escravidão do pecado. Suas feridas nos curaram. (v.4-5;10;12b) Traspassado pelas nossas transgressões e moído pelas nossas iniqüidades nos libertou do poder do pecado. “Àquele que não conheceu pecado, se fez pecado por nós; para que, Nele, fôssemos feitos justiça de Deus.” II Coríntios 5:21
c.Fomos reconciliados com Ele (v.11) Fomos feitos justos. Somos contados na família de Deus. Justos e justificados. Ele nos livrou do nosso EGO. Tomar a cruz, portanto, é LIBERDADE! Que maravilhoso poder! É o poder de Deus para transformação de todo o que crê.
Nós estamos sendo chamados a experimentar essa vida de PODER. Ele foi prensado no largar de azeite e Dele foi extraído o óleo do Espírito. Você também é prensado para ser extraído um poder sobrenatural. O poder para vencer o pecado, para cumprir a missão e se dar como Ele.
II.Sabedoria de Deus (Veja Romanos 3:21-26)
Como pode Deus ser justo contra o pecado e salvador dos pecadores ao mesmo tempo? Deus se torna homem sem pecado, para que por meio do sacrifício de um homem sem pecado Ele satisfaça a sua própria justiça. Essa é a loucura! A loucura de Deus é mais sábia do que a sabedora dos homens.

Rodrigo Rodrigues Lima, Pastor


domingo, 5 de março de 2017

Sermão 05/03/2017 - A Igreja de Laodicéia - Sintomas, causas e a cura da perda do fervor espiritual

A Igreja de Laodicéia – Sintomas, causas e a cura da perda do fervor espiritual
Apocalipse 3:14-22

Graça e paz amada igreja. O texto que lemos é a última carta de Jesus às sete igrejas da Ásia Menor, direcionada à igreja de Laodicéia. Das sete igrejas, cinco receberão repreensão e duas delas palavras de encorajamento. Para todas elas há uma mesma declaração: “Conheço”. Jesus passeia no meio da sua igreja (Apocalipse 2:1 “anda no meio dos sete candeeiros de ouro” que são as igrejas). Ele sabe tudo sobre a sua igreja, pois seus olhos são como chamas de fogo (Apocalipse 1:14), o que significa que seus olhos penetram o que aos nossos olhos são impenetráveis. Ele conhece todos os nossos pensamentos. Ele conhece a você e mim. Ele conhece nossas obras ocultas e reveladas. Ele conhece nosso zelo bíblico bem como a nossa falta de amor, como na igreja de Éfeso. Ele conhece nosso sofrimento, como na igreja de Esmirna. Ele conhece nossa falta de zelo com a doutrina, mas o nosso amor permissivo, uma graça barata como na igreja de Pérgamo. Ele conhece nosso amor, fé, serviço, perseverança e muitas obras que temos boas, mas a tolerância com o pecado e a imoralidade como na igreja de Tiatira. Ele conhece a nossa falta de integridade em nossas obras e a fidelidade daqueles poucos que tem permanecido fiéis como na igreja de Sardes. Ele conhece a nossa falta de força, porém, a perseverança e fidelidade como a da igreja de Filadélfia. Jesus conhece a apatia espiritual e a mornidão que se apodera da sua igreja como na igreja de Laodicéia. Jesus conhece a Sua igreja e sabe dar um diagnóstico preciso a respeito dela. Qual é o diagnóstico que Jesus tem a seu respeito?

Para todas as igrejas Jesus faz uma apresentação de si mesmo, dá um diagnóstico preciso, apresenta uma recomendação e, por fim, dá uma promessa. Para a igreja de Laodicéia, nos versos 15 a 17 temos o diagnóstico, dos versos 18 a 20 uma recomendação e dos versos 21 a 22 uma promessa.

1)      Os sintomas de uma igreja que perdeu o fervor espiritual (v.15-16)
Jesus contextualiza a realidade desta igreja com a sua localidade. Laodicéia era uma importante cidade, pois era o cruzamento de rotas comerciais por causa de suas vantagens comerciais e militares, mas não por aspectos naturais. 10 km ao norte de Laodicéia se encontrava a cidade de Hierápolis, cujas águas termais eram e até hoje são terapêuticas. 16 km a leste de Laodicéia se encontrava a cidade de Colossos, cuja a água era potável, fresca e pura. Laodicéia não tinha água suficiente, por isso, canalizava sua água das fontes quentes de Denizli. A água não tinha tempo suficiente para esfriar nos aquedutos, chegando morna à cidade. Suas águas eram impróprias para beber e tampouco eram terapêuticas. Suas águas eram cheias de sais minerais e substâncias que provocavam náuseas e vômitos. Laodicéia era a única igreja que provocava náuseas em Jesus. Jesus faz uma declaração devastadora a seu respeito: “nem és frio nem quente...Assim porque és morno e nem és quente e nem frio, estou a ponto de vomitar-te da minha boca”. Jesus revela os sintomas. Esta era uma igreja morna. Essa mornidão revela:
Esterilidade espiritual – Os crentes em Laodicéia deveriam ser conhecidos por seu poder de cura espiritual (como as águas quentes terapêuticas de Hierápolis), ou por seu ministério revigorante e vivificante (como as águas frescas de Colossos). A esterilidade é reflexo de uma espiritualidade estéril. Seus frutos são reflexos do nível de seu relacionamento com Deus e para Ele conta os frutos. Curiosamente a igreja de Laodiceia não é denunciada por problemas doutrinários. O que revela que esta igreja poderia estar muito bem doutrinariamente, mas sua ortodoxia não produzia frutos. Não havia nela problemas de imoralidade ou permissividade, mas havia se acostumado. Uma igreja seguramente familiarizada com a vida religiosa. Jesus é claro ao afirmar em João 15 que quem Nele permanece, frutifica. Por que essa igreja perdeu o fervor espiritual?

2)      As causas de uma igreja que perdeu o fervor espiritual (v.17-18)
Os crentes da igreja em Laodicéia estavam imensamente ricos, e isso os levava à autossuficiência e complacência, isto é, eles preferiam fazer a política da boa vizinhança com o mundo. É a tal expressão “nada a ver”. Isso não tem nada a ver. Autossuficiência e a complacência é uma combinação mortal para o cristão. Jesus fala com detalhes da natureza dessa igreja. O problema não é a riqueza em si, mas a falta de pobreza espiritual que Jesus esperava daquela igreja. Como o crente perde essa sensibilidade espiritual?
Autossuficiência que se manifesta em orgulho e arrogância. Isso é muito sutil. Praticamente não se percebe quando se chega a este estado. Eles haviam sucumbido ao estilo de vida da cidade e nem perceberam. 1) Esta igreja se considerava segura nas suas posses, mas eram aos olhos de Jesus miseráveis e pobres. Jesus os aconselha: “compres ouro refinado de mim”. Laodicéia foi desenvolvida dos bancos e comércios da cidade. Os crentes, ricos, achavam que suas posses acumuladas os tornavam ricos, mas eles eram pobres. Jesus deixa claro: o propósito de Deus é a verdadeira riqueza para a sua igreja, “o tesouro do céu, onde traça e nem ferrugem corrói, e onde ladrões não escavam e nem roubam; porque, onde está o teu tesouro, aí estará também o teu coração.” Mateus 6:20-21; 2) Essa igreja se considerava bem vestida espiritualmente, mas Jesus os considerava nu. Jesus os aconselha: “compres de mim vestiduras brancas para te vestires, a fim de que não vejas a sua nudez”. Laodicéia era famosa por sua lá preta brilhante. Em outras palavras, é possível você se vestir de Armani ou Prada, mas pode estar “nu” diante de Deus. Jesus revela que esta igreja está em condição de desgraça diante de Deus, por causa da vergonha que simboliza o merecimento do juízo de Deus (Isaías 20:3-4)3) Essa igreja precisava enxergar, pois Jesus os considerava cegos. Jesus os aconselha: “compres colírio para ungires os olhos, a fim de que vejas”. Laodicéia era considerado o maior centro oftalmológico da época. Lá eram fabricados colírios. Entretanto, Jesus chama a sua igreja a perceber sua cegueira espiritual, arrepender-se e receber cura espiritual de Cristo, pois, somente Ele é a fonte de cura.
Em suma percebemos que: 1) Esta igreja não tinha leitura correta a respeito de si mesma; 2) Esta igreja havia perdido a noção de eternidade e estava muito familiarizada com o mundo em que vivia (Colossenses 3:1-3); 3) Esta igreja havia perdido a noção da sua constante e real condição diante de Deus – pobreza espiritual (Mateus 5:3). Quando ganhamos orgulho espiritual porque fazemos as coisas de Deus; 4) Esta igreja havia perdido a noção de dependência, por confiar na sua capacidade e nas conquistas materiais (Salmo 127:1-3). Eram verdadeiros CRENTES NOMINAIS. Sem vida de Deus, apesar de serem bons doutrinariamente, não fazerem nada de errado e serem bem sucedidos em tudo o que faziam, mas eram complacentes. ´
O pior de tudo, é pensarmos que estamos de acordo com Deus, sem percebermos que Deus está nauseado conosco. Isso ocorre quando a Palavra de Deus não é mais a palavra final em nossas vidas e onde não há vida na Palavra, não há fervor espiritual. Os laodicenses causavam náuseas em Jesus. Como mudar essa situação? Aceitar a disciplina do Senhor! Ele nos ama.

3)      A cura para uma igreja que perdeu o fervor espiritual (v.19-20)
Os laodicenses estavam cegos por sua própria espiritualidade indiferente, a uma prosperidade mundana e achavam que por estar tudo bem com eles, era sinal de que estavam bem com Deus. Jesus quer aprofundar a Sua relação com a igreja. Ele está do lado de fora!
Amados, podemos estar fazendo tudo certo. Podemos estar até mesmo lendo, orando e jejuando como a igreja de Laodicéia, mas sem fervor espiritual, pois, não é os atos de religiosidade que demonstrarão que somos crentes firmes. 1) Maior intimidade. Sede da Palavra. Maior anseio por orar e jejuar. Coração puro. Santidade nas intenções e prazer em estar com Ele.  O que revelará nosso fervor espiritual é o quanto estamos próximos a Ele e este relacionamento mudando o nosso caráter, nosso comportamento, mudando nossa essência e gerando em nós mais desejo de estar com Ele em Sua Presença. 2) Abandono do pecado. O fervor espiritual gera em nós repulsa pelo pecado. Gera entristecimento com tudo aquilo que não está de acordo com o Espírito Santo que habita em nós. O pecado deixa de ser hábito. Nos enojamos dele. 3) Submissão ao Espírito. Guiados pelo Espírito não seremos rebeldes a Deus e aos líderes. Estaremos mais sensíveis a Deus.

Hoje Jesus está batendo na porta do seu coração para resgatar uma relação mais profunda e transformadora. Ele quer comer comigo e com você. Ele quer jantar. Ele diz: “arrepende-te”. Ele quer seu amigo.  Ele quer que a Palavra seja verdade em sua vida.
Há uma promessa. Não se preocupe em sentar em lugares importantes aqui na terra, pois, Ele tem um trono preparado para nós no céu (v.21).

No amor de Cristo,
Rodrigo Rodrigues Lima, Pastor

sexta-feira, 3 de março de 2017

Devocional 03/03/2017 - TEMA: Reavives o dom!

TEMA: Reavives o dom!
Texto: "Por esta razão, pois, te admoesto que reavives o dom de Deus que há em ti pela imposição das minhas mãos." II Timóteo 1:6

OBSERVAÇÃO
Paulo admoesta a Timóteo a reavivar o dom dado por Deus a ele. O dom pode se esfriar, por isso, cabe a Timóteo reaviva-lo.

PRÁTICA
Deus me dá lições preciosas que tratam acerca da necessidade de manter a chama do dom acesa e me alerta quanto a discernir evitar aquilo que pode esfria-lo. A intimidação de pessoas, circunstâncias e da minha própria mente. Devo sempre manter meus olhos em Cristo, naquele que me vocacionou e entender que tudo o que passo de bom e de ruim é um privilégio de viver como fruto desse dom.

ORAÇÃO
Pai, obrigado por Tua Palavra. Cria em mim um coração que teme somente a Ti e reconhece que tudo o que vivo é um privilégio como consequencia desse dom. Faça-me íntimo Teu.

quarta-feira, 1 de março de 2017

Devocional 01/03/2017 - TEMA: Ele anda no meio da igreja!

TEMA: Ele anda no meio da igreja
Texto: "Ao anjo da igreja em Éfeso escreve: Estas coisas diz aquele que conserva na mão direita as sete estrelas e que anda no meio dos sete candeeiros de ouro." Apocalipse 2:1

OBSERVAÇÃO
Jesus inicia a sua primeira de sete cartas às sete igrejas da Ásia Menor. Ele se apresenta à igreja de Éfeso como aquele que anda no meio dos sete candeeiros de ouros, isto é, a sua igreja. Ele está presente e conhece cada parte da sua igreja.

PRÁTICA
Essa Palavra me traz temor, tremor, consolo e encorajamento. Jesus me conhece. Ele conhece tudo o que penso, sinto e sabe quem eu sou. Isto me faz refletir a respeito do meu relacionamento com Ele. Quero intimidade com Aquele que me conhece e está sempre presente.

ORAÇÃO
Querido Jesus, obrigado porque se que você está sempre presente. Sua Presença me traz temor, tremor,, consolo e encorajamento. Quero crescer em intimidade contigo. Eis-me aqui!

quarta-feira, 22 de fevereiro de 2017

Devocional 22/02/2017 - TEMA: Almas restauradas

TEMA: Almas restauradas
Texto: "A Lei do Senhor é perfeita e restaura a alma." Salmo 19:7a

OBSERVAÇÃO
O salmista destaca o valor da Palavra de Deus e o aspecto restaurador que ela produz na alma. A Palavra tem um papel revitalizador na vida do cristão.

PRÁTICA
Deus alimenta a minha alma e a fortalece por meio da Sua Palavra. Sou exortado a manter meus olhos em Sua Palavra lendo-a com a minha alma. Ela produz revitalização diária no meu ser.

ORAÇÃO
Pai, obrigado por Tua Palavra. Ela me alimenta e me revitaliza. Quero crescer em intimidade contigo. Revigora dia a dia a minha alma.